O ato de tomar banho é indispensável e praticamente um dever nos dias atuais. O banho é essencial na vida de todos nós, tanto na nossa, quanto na das pessoas que nos rodeiam. Quem não chega em casa cansado do trabalho, e não pensa em tomar um banho revigorante? Além de ser um ato de higiene, faz bem para a saúde.

Mas assim como outros hábitos do ser humano, você já deve ter se perguntado como surgiu essa prática tão usada no nosso cotidiano, e se sempre foi como é hoje em dia.

Bom, essa história começa lá no antigo Egito, onde documentos com mais de 3000 anos atestam o costume de tomar banho, numa média de 3 diários, na intenção de purificar o espírito através do corpo. Segundo alguns estudiosos, essa prática ajudou a afastar as pragas e algumas doenças presentes na civilização daquela época.

Essa crença valia tanto para a realeza, que usava óleos aromáticos, incenso e perfumes, entre massagens aplicadas por escravos – quanto às populações mais pobres que recorriam a banhos públicos. No reino de Ramsés, todos tomavam banho, em ritos dedicados a Thot, o Deus do conhecimento.

Esse costume passou aos gregos, que realizavam banquetes e festins, e ofereciam belos banhos coletivos aos seus convidados, esses banhos se tornavam verdadeiros locais de discussões e decisões políticas e sociais.

Os romanos herdaram muito da cultura grega, inclusive a adoração pelo banho, os romanos visitavam diariamente o Thermae – nome dado aos locais onde eram realizados banhos públicos – e permaneciam nas suas dependências por horas, os ricos iam acompanhados por um ou mais escravos. Mas entre eles, esse hábito tomou proporções inéditas. Tudo mudou. As ideias religiosas, levadas ao exagero, puseram um ponto final na limpeza. O cristianismo representou um retrocesso na história da higiene: tomar banho era um ato pecaminoso.

Lavar o corpo inteiro era um ato de luxúria. Quando muito, era aceitável tomar um banho por ano. Um único barril servia para toda a família sem que a água fosse trocada. O privilégio do primeiro banho era do chefe de família, enquanto as crianças ficavam por último, na água suja que sobrava. Toda essa falta de higiene levou a epidemias devastadoras, propagadas principalmente por roedores.

Demorou mais de um século para que o banho viesse a ser acreditado como um suporte de saúde mas mesmo assim com bastante resistência inicial. Nos anos 30 era comum tomar banho somente nos sábados.

Finalmente o banho voltava a ser um hábito comum e regular assegurando nosso bem-estar físico e psicológico.

Após o fim da Segunda Guerra em 1945 quando grande parte das casas europeias teve de ser reconstruída, elas ganharam locais para banho, abastecidos com a cada vez mais comum água encanada. A França foi a pioneira nas inovações sanitárias, seguida por Alemanha e Inglaterra.

Nos dias atuais, qualquer pessoa pode desfrutar de um banho de qualidade que envolve tecnologia de ponta, recursos para todos os bolsos e gostos incluindo hidromassagem, luzes submersas, e também tratamentos como a cromoterapia que consiste em utilizar das cores para curar doenças e restaurar o equilíbrio físico e emocional. Na Minas Banheiras você encontra tudo para o seu conforto e bem-estar nesse momento que é todo seu. Conheça nossos produtos aqui.