O estado que inspira o nome da Minas Banheiras tem grande importância nos rumos históricos do Brasil. Além de curiosa, a história de Minas Gerais proporciona para quem a estuda um entendimento mais amplo sobre a formação política e econômica do país. Repleto de cidades históricas, o estado mineiro é privilegiado em diversos aspectos desde os tempos mais remotos.

A ocupação da região de Minas Gerais, no final do século XVI, ocorreu devido à presença do ouro nas terras mineiras. A busca pelo metal precioso nos garimpos promoveu o famoso ciclo do ouro.

Foi em virtude dessa descoberta valiosa que a coroa portuguesa criou a primeira vila de Minas Gerais, em 1711, onde hoje está localizada a cidade de Mariana. A partir daí, a evolução do local foi rápida, transformando-se em centro econômico do Brasil.

Vários portugueses desbravaram a área levando seus escravos para a busca pelo ouro nos minérios. Os conflitos dessa época são motivados principalmente pelas cobranças de impostos por parte da coroa portuguesa aos bandeirantes. Com o avanço das atividades, os valores foram ficando expressivos e a cobrança dos impostos atrasados chegou a ser chamada de Derrama tamanha a violência empregada.

Embora o país colonizador fosse um dos principais exploradores do ouro, a região já contava com paulistas e outros brasileiros trabalhando com o mesmo objetivo. Além das cobranças de impostos, Portugal dificultou os caminhos para práticas de outras atividades como exportação de alimentos, fumo e cana de açúcar.

Inconfidência Mineira

Esse tipo de cobrança culminou ma primeira tentativa de constituir República Federativa a fim de livrar o Brasil do domínio português. A Inconfidência Mineira, baseada nos ideais do Iluminismo sempre relacionados a Independência dos Estados Unidos.

Foi nesse episódio que o Brasil ganhou um feriado, por meio da morte de Tiradentes, o único mártir da revolta que se encarregou de defender quem estava prejudicado pelos impostos. As reivindicações giravam em pedidos simples, como a independência de Minas Gerais, atrair capital estrangeiro para instalação de fábricas e fundar a Universidade de Vila Rica.

O fim da revolta acabou sem que o grupo tivesse seus pedidos atendidos. Ao ficar por dentro dos acontecimentos, o governador encerrou a cobrança da Derrama e mandou prender os líderes do movimento.

Após o episódio, Minas Gerais estabilizou a economia apenas no século seguinte, com o cultivo e comércio do café. A partir daí, o Estado passou a realizar investimentos maciços em transporte para enviar os produtos a outras partes do Brasil.

Ciclo do café

Indústrias alimentícias, têxteis e siderúrgicas acabaram atraídas pelo pujante cenário da economia mineira. A Proclamação da República, em 1889, possibilitou que Minas Gerais entrasse no século XX como uma das principais economias do país.

O café passou a ser um dos principais produtos exportados pelo Brasil. Com as políticas de protecionismo implantadas pelo novo formato de governo, o valor praticado no exterior era bastante favorável aos produtores. O único estado concorrente era São Paulo.

A força da indústria

Essa fase econômica foi descontinuada com a mesma força que começou. A partir de 1930, a cafeicultura passou a perder espaço para a indústria siderúrgica e processos industriais que fizessem bom uso dos recursos minerais. Em 1950, a principal fonte de rendimentos do estado já vinha de importação, atendendo ao mercado brasileiro.

A economia de Minas Gerais diversificou as áreas de atuação em 1970. Devido aos constantes investimentos do Governo Militar em grandes centros e capitais estaduais, grande parte dos incentivos ficou com Belo Horizonte, obrigando as cidades de interior a explorar novos mercados.

Minas Gerais de hoje

Minas Gerais segue como uma das principais potências econômicas do Brasil, apenas atrás dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Em julho de 2017, a estimativa é que a população já tenha ultrapassado as 21 milhões de pessoas. São 583 municípios distribuídos por 588.528,29km².

O índice de Desenvolvimento Humano (IDH) fica em 0,731, considerado alto, e o Produto Interno Bruto (PIB) de 2014 corresponde a R$ 516,634 bilhões. Entre as principais atividades econômicas, lidera o setor de serviços, responsável por 62% do PIB, seguido de indústria e agricultura e pecuária.

Tamanha exuberância natural e riqueza histórica tornam a Minas Banheiras uma empresa orgulhosa de fazer parte da história desse estado, e contribuir para o desenvolvimento por meio da geração de empregos e produção de produtos de qualidade.